• IGC - Instituto Gestalt

Orgasmo

*Por Maria Celisa Meirelles Barbalho



Vamos refletir sobre o mistério e a dádiva que existe em torno do orgasmo

feminino. Porque algumas mulheres são extremamente orgásticas e outras

não se soltam? Orgasmo tem a ver com fantasia, hormônios, estimulação,

intimidade? Que mecanismo impede as mulheres de se abandonar ao gozo?

Podemos atingir o orgasmo sozinhas, pela masturbação, ou com o parceiro

ou a parceira. Há quem diga que masturbar-se é sem graça e é pecado.

Porém, uma festa consigo mesma pode ser restrita, mas ainda assim é uma

festa!


"O orgasmo é uma experiência única, manifestação do todo da mulher e depende de suas condições físicas, emocionais e da qualidade da relação. A consciência do desejo é o start desse processo."

Do ponto de vista fisiológico, quando estamos excitadas, a temperatura do

corpo aumenta, o ritmo cardíaco acelera e mais sangue é levado a todo o

corpo; os músculos da zona genital se movem, o clítoris se expande e a

vagina lubrifica preparando-se para a penetração; ficamos vermelhas no

rosto e nas zonas erógenas. Com o aumento da excitação, o coração acelera

ainda mais e há uma maior irrigação de sangue; os pontos de prazer -

clítoris, seios e bicos dos seios - se inflamam e ficam mais duros. A

estimulação das preliminares e a penetração levam nossos músculos a

ficarem cada vez mais tensos. A chegada do orgasmo representa a liberação

de uma série de substâncias (ocitocina, serotonina, vasopressina), que

diminuem a tensão, dando lugar a uma onda de prazer. As paredes vaginais

contraem brevemente, as pupilas dilatam, nos entregamos às sensações que

invadem bruscamente nosso corpo. A liberação das substâncias químicas

nos fazem sentir mais próximas ao parceiro. Devido ao sangue presente na

zona vaginal e a grande sensibilidade do clítoris, somos capazes de atingir

outro orgasmo em breves minutos, se a estimulação continuar.


O orgasmo é uma experiência única, manifestação do todo da mulher e

depende de suas condições físicas, emocionais e da qualidade da relação. A

consciência do desejo é o start desse processo. A intimidade do contato

com o parceiro facilita a liberdade e a criatividade levando a mulher a se

entregar às sensações, sentimentos e fantasias sexuais. Os movimentos

próprios da busca do prazer são uma consequência. Está na nossa natureza.

É um momento onde se perde a noção de tempo, espaço e de quem somos

naquele instante. Quando nos sentimos à vontade com nosso corpo e o do

parceiro, fundimo-nos um no outro. Nada mais interessa! A plenitude e a

serenidade imperam! Entretanto, a preocupação excessiva em chegar lá,

bloqueia o orgasmo. O (a) parceiro (a) pode criar condições, mas é a

mulher que se libera ou trava. A capacidade biológica de atingir o orgasmo

é inerente à toda mulher. É instinto!


"...muitas mulheres sofrem de anorgasmia, ou dificuldade em atingir o orgasmo. Na grande maioria, isso se relaciona a problemas no relacionamento, como falta de confiança e luta de poder."

Vários estímulos podem levar a mulher ao orgasmo: a penetração vaginal, a

estimulação do clítoris, do ponto G, ao receber o sexo oral, a penetração

anal, a estimulação do bico dos seios. Grande parte das mulheres permite

ao parceiro somente a penetração vaginal. Outra parte consegue atingir o

orgasmo na penetração anal. Algumas até sentem maior excitabilidade

sexual quando estimuladas e penetradas nessa área e a praticam tanto

quanto a penetração vaginal.


Algumas mulheres têm pouca sensibilidade nos seios, enquanto outras são

extremamente sensíveis às carícias nessa região. Os seios são fonte de

nutrição e vida, essenciais na amamentação dos bebês, assim como geram

enorme prazer fora desse período. Quando os seios da mulher são

acariciados, apertados, sugados, mordidos pelo parceiro, geram uma

elevada excitação podendo levar ao orgasmo. Quando a mulher se toca

nessa região privilegiada por terminações nervosas, ela pode sentir a força

das sensações provocadas no corpo todo. Pesquisas recentes comprovam

que é possível chegar ao orgasmo somente com estímulos nos mamilos. A

descoberta foi feita a partir de imagens de RM feitas com mulheres que se

masturbavam enquanto seus cérebros eram monitorados. Orientadas a

estimular apenas seus mamilos, a atividade cerebral comprovou que o

estímulo dessa região ativa a mesma parte do cérebro conectada à

estimulação genital, o córtex sensorial genital. Os homens também são

capazes de obter o mesmo resultado.


Algumas mulheres descrevem sensações orgásticas de explodir,

enlouquecer, desmaiar, perder as forças, sentir as pernas bambas, sentir

forte tontura, o corpo retesado, em convulsão, o prazer da penetração e a

explosão. Entretanto, muitas mulheres sofrem de anorgasmia, ou

dificuldade em atingir o orgasmo. Na grande maioria, isso se relaciona a

problemas no relacionamento, como falta de confiança e luta de poder.

Pode ocorrer que a mulher atinja o orgasmo somente na masturbação mas

não se solte com o parceiro. Em geral fazem do sexo uma moeda de troca,

por exemplo: só me abro ao sexo se você fizer isso, aquilo e aquilo outro…

e a maior parte das vezes a maior perdedora é ela…porque sexo é vida e

quando vivido numa relação de confiança e soltura melhor ainda.


"Para Lowen, o orgasmo é indicador de saúde emocional, representando a capacidade de reunir consciência e inconsciência, ego e corpo, afeto e agressão numa resposta total. Jovanotti em uma de suas canções afirma: A vertigem não é medo de cair, mas desejo de voar."

É observável o impacto da vivência do orgasmo feminino. A mulher que se

envolve num relacionamento amoroso-sexual tem vitalidade e firmeza;

todo seu ser é testemunha; seus olhos brilham, sua pele tem viço e cor, seu

tônus muscular é forte, sua voz é firme e decidida, tem amor e compaixão

pelos outros; encara a vida e seus obstáculos com coragem; tem bom

humor e autoestima, acredita e confia em si e nos outros. Participar do sexo

ativamente é uma atitude que supõe maturidade, saber o que se quer e ter

consciência de que isto representa saúde física, mental e emocional.

A mulher que não consegue se engajar num relacionamento satisfatório

também mostra isso no próprio corpo. Carece de graça e bem-estar, está

sempre mal humorada e infeliz, espalha amargor ao seu redor. Preocupa-se

demasiadamente com a vida dos outros, sem ser dona de si mesma. Culpa o

mundo por seus infortúnios. São pessoas mal-amadas: não se amam e nem

amam os outros. Quando ela não se entrega ao parceiro e ao momento, a

sensação orgástica pode ficar comprometida. Ela assume uma atitude de

observadora durante a relação sexual. A necessidade de controlar a situação

pode levar o homem a disfunções sexuais.


Para Lowen, o orgasmo é indicador de saúde emocional, representando a

capacidade de reunir consciência e inconsciência, ego e corpo, afeto e

agressão numa resposta total. Jovanotti em uma de suas canções afirma: A

vertigem não é medo de cair, mas desejo de voar.


E agora que você chegou até o final do artigo, que tal se permitir voar?


*Maria Celisa Meirelles Barbalho

Gestalt-terapeuta, Especialista em Sexualidade Humana e Psiconeuroimunologia. Contribui com regularidade no Blog do IGC.


Clique aqui e saiba mais sobre o trabalho da autora.


Clique aqui para informações, comentários ou agendar uma consulta.


VEJA TAMBÉM:

Sobre crise, trauma e autoconhecimento | Compulsões e Sofrimento Psíquico: relações contemporâneas | Vitalidade Feminina


#sexualidade #sexualidadefeminina #psicoterapiadecasal #psicoterapiasexual #sexologia #gestalt #gestaltterapia #psicoterapia #psicologia

  • Google+ - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Black Facebook Icon

Rua João Regino, 474 - Parque Manibura - Fortaleza / CE - 085 3271-1692
© 2020 by IGC - Instituto Gestalt do Ceará